Área reservada

Esqueceu a sua palavra-passe? clique aqui

Cancelar

Registo de utilizador

Utentes

Registo de utente

Registo exclusivo para utentes das consultas de nutrição Good Diet.

Blog

Dia da asneira: recomenda-se ou não?

Dia da asneira: recomenda-se ou não?

O dia da asneira (ou cheat meal) é um momento em que pode cometer alguns excessos alimentares. Estes dias, normalmente, são utilizados para ajudar a matar saudades dos seus alimentos preferidos, para sair do modo “estou com desejos” e reiniciar o metabolismo, preparando-o para mais uma semana de dieta.Para quem está de dieta, anseia a chegada deste dia, pois serve de escape ou compensação pelo esforço e rigor ao longo de toda a semana alimentar. Mas será este dia é benéfico para quem está a tentar perder peso? E poderá comer tudo o que lhe apetece?Quando se inicia uma dieta de perda de peso, há momentos em que é difícil manter a motivação, pelo que, definir pequenos objetivos é indispensável para que chegue ao final, obtenha o resultado e este se mantenha ao longo do tempo. Assim, o “dia da asneira” pode ser uma mais-valia para algumas pessoas, mas um erro para outros.Veja os prós e contras do “dia da asneira” e verifique e pese se valerá apena pô-lo em prática. Prós:- Socialização: muitas vezes os nossos pares, familiares ou amigos não compreendem o ponto de vista de estar a fazer uma alimentação mais saudável, questionando constantemente se está a fazer dieta e colocando esta em causa. Desta forma, se se permitir a uma refeição ou “dia da asneira” poderá aproveitar para comer o mesmo e evitar todos esses comentários indesejados que podem levar a que desista da dieta;- Motivação: uma refeição com os seus alimentos favoritos, ou com alimentos que lhe foram retirados no plano alimentar, seja ele doce ou salgado, pode servir de mimo ou compensação por todo o esforço obtido, podendo mesmo levar a um extra de motivação para conseguir continuar a sua caminhada na dieta de perda de peso. Contras:- Excesso de calorias: neste dia, se optar por mais do que uma refeição livre, isto é, comer tudo a que tem direito (alimentos com gorduras e/ou açúcares) sem restrição, levará a um aumento de peso, podendo mesmo chegar a anular o esforço da restrição de calorias que fez ao longo da semana.Não se iluda, é fácil atingir um valor de calorias elevado numa refeição, quanto mais num dia “livre”. Seja modesto se quiser fazer uma exceção, optando apenas por um pequeno “miminho alimentar” que não comprometa a dieta.- Desequilíbrio alimentar: antes de pensar em fazer o dia da asneira é necessário ter em atenção que poderão existir outras exceções nessa semana ou nesse mês… Algumas até pode estar a contar, como festas de aniversário, natal, entre outros, mas também podem surgir convites inesperados para jantares de amigos ou família.Desta forma, poderá desequilibrar a sua alimentação, uma vez que pode já ter tido a sua “cheat meal” que, juntando a uma das situações anteriores, podem tornar-se em vários “dias da asneira” e não apenas num, comprometendo o seu objetivo.- Indisciplina: para algumas pessoas o facto de sair uma vez da rotina alimentar serve de desculpa para errar mais do que uma vez, podendo ser mais difícil o regresso ao plano alimentar saudável que mantinha até então, colocando em causa toda a dieta por causa um deslize;- Transtornos alimentares: os excessos cometidos no dia da asneira, em algumas pessoas, pode mais tarde, levar a sentimentos de culpa, passando de uma compulsão alimentar a episódios de bulimia e hiperfagia, podendo aqui colocar em causa a saúde física e mental no processo de perda de peso. Olhando aos prós e contras, verifique o que será mais vantajoso para si. Ainda assim, o equilíbrio alimentar é a base para o sucesso, isto é, não se submeta a uma restrição severa que depois não consiga manter a longo prazo, caindo nestas tentações.Se necessitar peça ajuda à sua nutricionista, pois ela saberá como compensar a sua dieta com estas exceções programadas ou não, podendo indicar quais as melhores exceções sem comprometer o objetivo final que traçou.

Saber mais

Dietas ioiô: o que são e quais os seus perigos

Dietas ioiô: o que são e quais os seus perigos

Acima e abaixo como um elevador, uma a duas vezes no ano, assim são as dietas ioiô. É mais comum do que imagina, afeta homens e mulheres de todas as idades e nada tem de inocente, pois as oscilações bruscas de (muito) peso podem, a longo prazo, prejudicar a sua saúde.As dietas restritivas são marcadas por resultados extremos, que agradam a quem as faz, uma vez que ocorre perda de peso rapidamente, mas, como referido, podem trazer consequências graves na saúde, tanto a curto como a longo prazo, uma vez que há privação de nutrientes importantes para funções básicas.Além disso, quem entra neste ciclo vicioso de dietas com “efeito ioiô”, sem nunca encarar a alimentação como uma rotina diária e educação para a vida, pode mesmo engordar novamente, obtendo o peso que tinha ou mais.Esta recuperação de peso ocorre porque há ativação de mecanismos nervosos e hormonais que se opõem à perda de peso: maior rendimento do metabolismo corporal com maior poupança energética e aumento do apetite.Desta forma, é importante estar atento aos principais perigos das dietas “ioiô”, além dos dois mencionados anteriormente (alterações de saúde e aumento de peso):- Fraqueza, queda de cabelo e dor de cabeça;- Perda de massa muscular e flacidez;- Transtornos alimentares;- Dificuldade de concentração.Mais importante do que atingir o objetivo da perda de peso rapidamente, é esta perda ocorrer de uma forma saudável e sustentável a longo prazo, para que, desta forma, aprenda a viver em equilíbrio. Assim, pretende-se que consiga uma perda de peso advinda apenas de perda de massa gorda enquanto desenvolve capacidades para deixar de acreditar em “milagres” e mudar para a vida.Comece por colocar em prática algumas dicas e evite o efeito ioiô:- Estabelecer objetivos reais e concebíveis de concretizar;- Inserir gradualmente novos hábitos alimentares;- Fazer pequenas mudanças no estilo de vida ao longo do tempo;- Não estar muitas horas sem comer;- Focar-se na qualidade nutricional e não apenas na quantidade (calorias);- Manter uma boa hidratação;- Ter bons hábitos de exercício físico;- Permitir um pequeno “deslize” alimentar.É importante compreender que não há perdas de peso que durem eternamente. Sempre que o consumo seja superior ao que o corpo necessita, ocorre aumento de peso. Perder peso pode ser necessário quando afeta a saúde, mas o processo deve ser feito com cuidado e respeitando o ritmo do seu corpo.

Saber mais

Qual a importância das cores dos alimentos?

Qual a importância das cores dos alimentos?

As cores dos alimentos estão relacionadas com os diferentes nutrientes e benefícios que representam para a nossa saúde. Certamente já se seduziu pelas cores dos alimentos nas prateleiras quando vai às compras... Mas será que todas as cores trazem benefícios? Na verdade os “olhos também comem”! As escolhas alimentares que fazemos nem sempre seguem a regra de diversificar os nutrientes, mas sim o facto de sermos atraídos por uma determinada cor ou aspeto do alimento.Antes de se deixar seduzir apenas pelo aspeto visual de um alimento, varie não só as cores, mas também os alimentos que representam cada cor. Ainda que, dentro da mesma tonalidade, as características nutricionais possam ser semelhantes, cada alimento tem uma riqueza em nutrientes específicos.De forma a tornar as suas refeições mais equilibradas, saiba quais os nutrientes que existem em cada grupo de cor de alimentos:Verde: vegetais folhosos (espinafres, agrião) ou outros legumes desta cor contêm vitamina A e clorofila, importantes na desintoxicação celular, ação antibacteriana e cicatrizante. A sua riqueza em magnésio auxilia na proteção óssea e muscular. Além disso, são ricos em vitamina K, necessária para a coagulação do sangue.Laranja: o betacaroteno é o pigmento que dá esta cor a alimentos como a cenoura e abóbora. Quando estes alimentos são consumidos, o betacaroteno presente é transformado em vitamina A pelo nosso organismo. Os seus benefícios estão relacionados com a manutenção e proteção dos tecidos (nomeadamente a pele) e visão, bem como o reforço do sistema imunitário.Amarelo: frutas como o limão e ananás são exemplos de alimentos com grande teor em vitamina C, que promove uma melhor cicatrização de feridas e tem uma função antioxidante no combate aos radicais livres.Branco: alimentos como alho, cebola, banana e nabo são bons exemplos de opções que contribuem para um bom funcionamento do sistema nervoso, muscular e na manutenção da saúde óssea.Vermelho: tomate, pimento, melancia e romã são exemplos de alimentos cujo caroteno (licopeno) e antocianinas lhes conferem a cor vermelha, apresentando propriedades antioxidantes que estão relacionadas com a saúde de tecidos (mama e próstata).Azul/Roxo: frutas e vegetais como as uvas, couve roxa e alcachofra são alimentos com fonte de flavonóides, como antocianinas e quercetina, bem como de carotenóides, como luteína e zeaxantina que protegem as células da oxidação prejudicial. Esses componentes contribuem para a manutenção da função cerebral adequada e do fluxo sanguíneo, além de serem antioxidantes. Assim, não esqueça: na hora de escolher os alimentos, varie as suas cores em função dos nutrientes essenciais à sua saúde e bem estar. Parece um pequeno passo, mas será importante para que o organismo tenha acesso a todos os nutrientes, evitando, assim, o agravar de carências nutricionais.

Saber mais

Não consegue ficar em forma? Estas podem ser as razões!

Não consegue ficar em forma? Estas podem ser as razões!

O desejo da maioria das pessoas que pretende perder peso ou simplesmente tonificar o corpo, é que os resultados apareçam rapidamente. Se, numa fase inicial, mudando alguns hábitos alimentares e fazendo exercício físico, a redução da gordura acontece, a longo prazo, parece que os resultados deixam de aparecer com tanta facilidade, tornando-se, assim, uma tarefa mais complicada. Não se sinta só, esta situação é mais comum do que aquilo que imagina! E a melhor forma de resolver o problema é através da obtenção de informação/conhecimento e procurar ajuda profissional complementar de nutricionista e personal trainer.Ainda assim, comece já por verificar se está a cometer alguns dos seguintes erros e vá fazendo pequenas alterações:Ingerir calorias a mais: atingir o equilíbrio nutricional no que respeita à quantidade dos alimentos ingeridos versus o que se gasta no dia-a-dia e treino, bem como a qualidade, isto é, a proporção de todos os nutrientes, pode estar errada para o objetivo pretendido. Desta forma, é importante saber o que comer no dia-a-dia, bem como as alterações necessárias para os dias de treino, pois a alimentação poderá ter de ser ajustada.Reduzida ingestão de proteína: a proteína é considerada o macronutriente mais importante, tanto na perda de peso como na manutenção e aumento da massa muscular. O seu consumo deve representar entre 0.8g/kg a 2.5g/kg por dia, dependendo de diversos fatores. A proteína promove uma maior saciedade e previne a desaceleração do metabolismo, além de nutrir o músculo para o seu crescimento.Ingestão insuficiente de fibra: alimentos com alto teor em fibra, como cereais integrais, vegetais, entre outros, tendem a aumentar a saciedade e diminuir a absorção de gorduras no intestino. Além disso, permitem melhorar a digestão e o funcionamento intestinal, reduzindo não só a gordura total, como o inchaço abdominal.Treinar de forma errada / insuficiente: o exercício físico - treino de força e cardio, é essencial para se atingir o objetivo de perder massa gorda e ganhar massa muscular. Ao contrário do que se possa pensar, a musculação (treino de força) é o tipo de treino que mais contribui para queimar massa gorda e aumentar a definição. Já os exercícios de cardio são muito importantes para a perda de gordura visceral, um tipo de gordura que se acumula nos órgãos internos, nomeadamente na zona abdominal. Para conseguir ficar em forma, não basta apenas fazer o exercício X ou Y ou ter alguns cuidados na alimentação, é necessário programar uma estratégia que respeite as suas preferências, necessidades, objetivos individuais, bem como desmitificar e ultrapassar dificuldades e limitações.

Saber mais

Intolerâncias alimentares: o que são?

Intolerâncias alimentares: o que são?

A maior parte das pessoas já teve um desconforto ou reação após o consumo de algum alimento, podendo a sua origem ser uma intolerância ou alergia alimentar, ou não ser nenhuma das duas. Como medida de auto-prevenção, a tendência é abolir ou moderar o consumo desses mesmos alimentos, havendo até mesmo quase que uma moda de “intolerâncias alimentares”. Mas, será que todas as pessoas que restringem determinados alimentos são verdadeiramente intolerantes ou serão as tais “modas” que definem essas intolerâncias? Intolerância alimentar: surge quando o nosso organismo é incapaz de digerir um alimento, pois carece de uma enzima para poder processar um determinado nutriente. Os sintomas presentes numa intolerância alimentar são principalmente do foro gastrointestinal, tais como: inchaço abdominal, gases, dores de barriga, diarreia, enjoos. Podem variar de pessoa para pessoa e segundo a quantidade ingerida desse alimento.Quando se trata de uma intolerância alimentar, poderá existir o consumo de pequenas quantidades desse alimento, consoante o nível de tolerância.Das intolerâncias alimentares que mais se conhecem destacamos a intolerância à lactose e ao glúten. Alergia alimentar: é originada por uma reação no sistema imunitário que considera uma determinada proteína de um alimento, prejudicial para o organismo. Neste caso, os sintomas mais comuns são falta de ar, inchaço nos lábios, inflamação no sistema de deglutição, comichão e tosse. Estas manifestações podem aparecer mesmo com a ingestão de pequenas quantidades do alimento e ocorre imediatamente após a sua ingestão. Em situações mais graves, poderá mesmo acontecer choque anafilático e complicações nos órgãos do trato respiratório.Quando falamos em alergias alimentares, aqui sim, quando detetado o alimento intolerante, é de extrema importância eliminar o seu consumo.Das alergias alimentares que mais se conhecem destacamos a intolerância à proteína do leite, amendoim, mariscos, chocolate e morango. A verdade é que muitas das pessoas que eliminam alguns alimentos do dia-a-dia (ex: leite e/ou pão), não sofrem de intolerâncias alimentares associadas a esse tipo de alimentos. Nutricionistas, gastroenterologistas, confirmam que, devido ao aumento de alimentos processados, bem como ao excesso de fármacos (auto-prescrição), existem alterações ao nível do trato gastrointestinal que produzem reações idênticas às de uma intolerância alimentar.Assim, antes de excluir definitivamente qualquer alimento, é necessário comprovar e procurar ajuda profissional não se devendo limitar apenas a indicações de outras pessoas que possam padecer desse problema, nem se deixe influenciar pelas “modas de dietas” e restrições alimentares que não se ajustam às suas necessidades.

Saber mais

Plano detox de um dia: faça reset ao organismo!

Plano detox de um dia: faça reset ao organismo!

Sente que nestas semanas de festas não conseguiu evitar os excessos alimentares, seja pelo consumo de alimentos ricos em gordura e açúcar ou mesmo pelo excesso de bebidas alcoólicas?! Estes excessos levam, muitas das vezes, não só a um aumento significativo de peso e gordura, como a uma intoxicação global do nosso organismo, impedindo que os órgãos processem de uma forma tão acelerada toxinas e gorduras. Para “limpar” o organismo, diminuindo os quilos, gorduras e inchaço, o passo mais importante é fazer uma desintoxicação, também denominada tradicionalmente por “Detox”. Siga a nossa sugestão de um plano para um dia detox:Jejum: 1 ampola Good Diet Detox num copo de água morna com sumo de ½ limãoPequeno-almoço: Sumo Detox (150ml de chá verde frio + 1 laranja + 1 Kiwi + 1 Punhado de espinafres + 1 lasca de gengibre + 1 colher de sobremesa de aveia)Meio da manhã: 6 Amêndoas + 1 Gelatina AllPura®Almoço: Peito de frango/peru grelhado com legumes salteados com um fio de azeite + 1 Chávena de chá Tea Mix Plantas AllPura®1º Lanche: 1 Maçã barrada com 1 colher de sopa de manteiga de amendoim AllPura®2º Lanche: 1 Gelatina AllPura®Jantar: Sopa laranja detox (abóbora + cenoura + cebola+ gengibre + pimenta caiena) + 1 ovo cozidoCeia: 1 Chávena de chá Tea Mix Plantas AllPura®Hidratação ao longo do dia: 2L de água (pode juntar um drenante Good Diet para potenciar a eliminação de toxinas do corpo). Este plano não deve ser usado diariamente, mas sim no máximo 2 a 3 dias por semana, em períodos específicos, pois não é uma dieta equilibrada de uso regular.Os planos detox são boas opções a usar quando se cometem alguns excessos na alimentação, mas, ainda assim, o ideal é procurar ajuda profissional com um Nutricionista, para que, em conjunto, definam estratégias de alimentação, hidratação e suplementação ajustadas a si.

Saber mais

Os benefícios dos Chás e Infusões

Os benefícios dos Chás e Infusões

Bebida mais tradicional do mundo, o chá, independentemente da planta, está normalmente associado a bem-estar, saúde e emagrecimento. Os chás e infusões, além de apresentarem aromas agradáveis e proporcionarem momentos de satisfação, podem trazer, então, inúmeros benefícios para a saúde. Com a chegada do inverno, a ingestão de chás é mais frequente, apresentando-se como opção para hidratar e amenizar o frio. Para determinar os benefícios é importante saber a diferença entre chás e infusões:- Chás: proveniente das folhas da Camellia Sinensis, planta nativa da China, mas cultivada atualmente em mais de 30 países. Desta planta obtêm-se vários tipos de chá, como o verde, branco e preto. Estes diferem no sabor e aroma que os carateriza, devido aos diferentes processos de secagem e oxidação. Os chás contêm na sua composição teína (cafeína do chá) e propriedades medicinais comprovadas, devido à presença de compostos como flavonóides, polifenóis, catequinas, vitaminas e sais minerais.- Infusões: são feitas a partir de plantas (sementes, folhas, raízes) ou casca de fruta, como é o caso do chá de camomila, limão, tília, erva príncipe, casca de abacaxi, etc. Tanto o chá como as infusões apresentam diversos benefícios como:- Permitir um maior consumo de água, mantendo uma boa hidratação.- Usar como substitutos de bebidas açucaradas, em restrição de calorias (dieta).- Prevenir envelhecimento das células, pelas suas propriedades antioxidante (ex: chá verde).- Melhorar processo digestivo (ex: infusão de rooibos).- Prevenir e tratar de diversas doenças (neurológicas, cardíacas, infeciosas).- Diminuir os estados de stress e insónias, promovendo uma sensação de relaxamento (ex: infusão de camomila).- Proteger os dentes, pelo seu conteúdo em flúor contribuindo para o endurecimento do esmalte dentário. Ainda que os chás ou infusões possam apresentar diversos benefícios, não significa que são “inofensivos”, uma vez que, podem existir interacções com medicamentos ou alimentos por ex.. Desta forma, recomendamos que consulte um especialista caso pretenda beber doses elevadas de algum tipo de chá ou infusão, principalmente se toma algum medicamento.

Saber mais

Boas ou más? Tudo sobre as gorduras na alimentação.

Boas ou más? Tudo sobre as gorduras na alimentação.

Ao falar em gordura nos alimentos, o primeiro pensamento das pessoas é que vão engordar, que prejudica a saúde, e que, por isso, se deve eliminar da alimentação. Contudo esta ideia não é totalmente verdade! A gordura exerce diversas funções no nosso organismo, tais como: fornecer energia; veículo de transporte de alguns nutrientes (como as vitaminas); manutenção da temperatura corporal e da estrutura celular; entre outros.A gordura é um macronutriente importante na nossa dieta, tal como proteínas e hidratos de carbono. Segundo a Direção Geral de Saúde (DGS), a porção de gordura na alimentação deve situar-se entre os 20% e os 30% do valor energético total diário.Podemos encontrar diversos tipos de gordura nos alimentos, as que tradicionalmente chamamos de “boas” – gorduras insaturadas (polinsaturadas e monoinsaturadas) e as más, que são as prejudiciais à saúde – gorduras saturadas, trans e hidrogenadas …, mas quase todas apresentam um papel essencial ao organismo: - Gordura Monoinsaturada: líquida à temperatura ambiente, esta gordura pode ser encontrada em alimentos de origem vegetal, tais como azeite, frutos secos, sementes e abacate. O seu consumo é essencial para reduzir os níveis de pressão arterial, doenças cardiovasculares e triglicerídeos. O seu consumo não deve ultrapassar os 20% do total de calorias ingeridas. - Gordura Poliinsaturada: este tipo de gordura pode ser encontrado em peixes gordos (sardinha, cavala) ricos em ómega 3 ou em óleos vegetais, como o de girassol rico em ómega 6. O consumo deste subtipo de gordura é importante para controlar os níveis de colesterol e prevenir o risco de doenças cardiovasculares. - Gordura Saturada: presente em alimentos de origem animal (carnes vermelhas, leite e derivados) desempenha funções fisiológicas importantes mas, quando consumida em excesso, elevam o “mau” colesterol (LDL). - Gordura Trans e Hidrogenada: ambas são encontradas em produtos processados (batatas fritas, biscoitos e bolachas, margarinas, fast-food). Por promover o aumento do “mau” colesterol (LDL), triglicerídeos, entre outros fatores de risco para a saúde, este tipo de gordura não apresenta vantagem nutricional. Quando consumida na dose certa e quando as escolhas são feitas de uma forma consciente (reduzindo/eliminando gordura saturada, trans e hidrogenada), o consumo de gordura é benéfico para o nosso organismo. Dicas para reduzir o consumo de gordura “má”: - Escolher alimentos com baixo teor de gordura (queijos e iogurtes); - Substituir snacks de batatas fritas ou bolachas por palitos de vegetais ou frutos secos; - Trocar a gordura de origem animal por a de origem vegetal; - Diminuir o consumo de carne vermelha, preferindo as carnes brancas e retirar toda a pele.

Saber mais

Nutrição e Imunidade: qual é a relação?

Nutrição e Imunidade: qual é a relação?

O nosso organismo está exposto diariamente a estímulos, nomeadamente vírus e bactérias, poluição do ar e solos que podem comprometer o estado de saúde potenciando um risco de infeções ou mesmo doenças.  A juntar a todas estas situações, as descidas de temperatura, que se começam a fazer sentir nesta época do ano, podem agravar a imunidade.A imunidade é a proteção que o nosso organismo apresenta na presença de agentes desconhecidos (vírus e/ou bactérias), mantendo, deste modo, o organismo em equilíbrio. Este é bastante complexo e envolve muitos órgãos e funções, sendo influenciado não só por um alimento ou um nutriente específico, mas sim, por uma variedade de nutrientes. E ainda, outros parâmetros relacionados com o estilo de vida, sono, exercício físico e níveis de stress.Para que o nosso sistema imunitário funcione corretamente é importante que a primeira linha de defesa seja um estilo de vida saudável, que incluía os seguintes alimentos: - Frutos secos (amêndoas): grande quantidade de vitamina E e B3, importantes no combate ao stress oxidativo, aumentando deste modo as defesas do sistema imunitário; - Iogurte e kefir: ricos em probióticos, ajudam no combate a doenças inflamatórias e impedem a proliferação de bactérias/vírus, pela repovoação da flora bacteriana intestinal; - Cogumelos: abundante em selénio e antioxidantes e vitaminas do complexo B, ajudam deste modo na defesa contra gripes fortalecendo sistema imunitário; - Laranja, limão, kiwi e morangos: ricos em vitamina C, um antioxidante natural que previne a oxidação de células do sistema imunitário; - Castanhas e sementes de abóbora: são alimentos ricos em zinco que atua na reparação de células e tecidos. - Alho: contém na sua composição uma substância bioquímica que estimula a atividade celular no sistema imunitário, aumentando deste modo as defesas; - Salmão, sardinha e sementes: são fontes naturais de ómegas 3 e 6 que ajudam na regulação de células do sistema imunológicos e tem função anti-inflamatória; Um reforço do sistema imunitário exige um consumo regular e com quantidades adequadas destes alimentos ao longo do ano e não apenas quando o organismo se encontra doente. Sempre que a alimentação não seja suficiente para repor todos estes nutrientes, deve ser complementada com suplementação adequada e ajustada a cada pessoa. Além destes conselhos, as seguintes dicas devem fazer parte do seu estilo de vida: ter um peso saudável; evitar açúcares e farinhas refinadas; não ter hábitos tabágicos; praticar exercício físico regular; minimizar o stress e fazer uma boa ingestão de água. Só desta forma conseguimos um sistema imunitário forte e preparado para o ano inteiro!

Saber mais

Alimentos Funcionais: o que são e para que servem?

Alimentos Funcionais: o que são e para que servem?

Os alimentos funcionais são alimentos que promovem alguma função benéfica para a saúde, tal como o nome indica. Assim, para podermos considerar um alimento de “funcional”, não basta que contribuam para nutrir o corpo, é também necessário que produzam efeitos metabólicos ou fisiológicos benéficos no tratamento de algumas doenças ou mesmo na sua prevenção. Além dos alimentos funcionais, hoje em dia, alguns alimentos convencionais já são enriquecidos com determinados nutrientes ou compostos que lhe conferem a designação de “alimentos funcionais”. São exemplo os iogurtes enriquecidos com esteróis vegetais. Não sabe que alimentos são considerados funcionais? Fique a conhecer algumas opções e o seu benefício na saúde. Desta forma, poderá aumentar o seu consumo, de acordo com os objetivos que pretende: - Gengibre: é um alimento antioxidante que combate os radicais livres e contribui para retardar o envelhecimento. Este alimento possui ainda propriedades que aumentam o metabolismo, podendo, deste modo, diminuir a gordura total e mesmo a abdominal; - Alho e cebola: alimentos com alilsulfetos, compostos eficientes na redução da pressão arterial e estímulo do sistema imunitário. - Peixes gordos (sardinha, salmão, cavala), frutos secos (nozes) ou sementes: alimentos ricos em ómegas, possuem uma ação anti-inflamatória, ajudando ao nível do sistema cardiovascular e diminuição do colesterol LDL (“mau colesterol”). - Frutos vermelhos (mirtilos, amoras): ricos em catequinas, estes alimentos melhoram o sistema imunitário ao diminuírem a ação dos radicais livres e degradação celular. Contribuem, ainda,  para a regulação dos níveis de colesterol. - Iogurte e Kefir: alimentos ricos em probióticos, “bactérias boas” que melhoram o funcionamento intestinal. - Abacate: rico em glutationa e ácido oleico que promove a redução do colesterol sanguíneo, modula a produção e libertação de cortisol (hormona do stress) e contribui para a desintoxicação hepática. - Legumes de folha verde: alimentos ricos em luteína, evitam a degeneração muscular e envelhecimento precoce. - Pimenta Caiena: o aroma picante desencadeia a produção de endorfina, uma hormona que provoca bem-estar. Além disso, ajuda na vasodilatação, melhorando a circulação sanguínea, e aumenta o gasto de energia pelo organismo, ajudando na perda de peso; Estes são apenas alguns exemplos de alimentos funcionais. Para conseguir obter o real beneficio dos mesmos, além de ter de fazer um consumo regular, é importante juntar outros hábitos alimentares saudáveis e de estilo de vida. Como cada caso é um caso, deve ter em conta uma alimentação equilibrada e variada e não só o uso destes alimentos funcionais. Além disso, como qualquer alimento, deve comê-los com moderação.  A Good Diet pode ajudar com um plano de nutrição adequado a si. Procure uma nutricionista do nosso serviço de Nutrição.

Saber mais

A riqueza nutricional dos cogumelos

A riqueza nutricional dos cogumelos

Os cogumelos são considerados fungos e existem diferentes espécies, podendo assumir diferentes cores, tamanhos, formas e mesmo sabor. É nesta época, o outono, que a maior parte dos cogumelos cresce de uma forma selvagem, ainda assim, hoje muitas das espécies já são cultivadas, o que permite obter esta iguaria em qualquer altura do ano.  Se gosta de ir até à natureza colher cogumelos, é necessário ter bastantes cuidados, porque apesar de a maioria apresentar inúmeros benefícios para a saúde, também existem espécies tóxicas que podem mesmo conduzir à morte. Do ponto de vista nutricional, apresentam um baixo valor calórico (20 a 40 Kcal por 100g), grande aporte de proteína vegetal, diversos aminoácidos essenciais e baixa quantidade de gordura. Assim, é um alimento que pode ser incluído tanto em dietas restritas, como para aumentar o aporte de proteína, nomeadamente em dietas vegetarianas. Apresenta ainda vitaminas, minerais, fibra e antioxidantes característicos, que tornam o cogumelo um superalimento! Os cogumelos apresentão imensas propriedades benéficas para a saúde, destacando-se as seguintes:• Ação antimicrobiana e antioxidante• Retardam o envelhecimento; • Prevenção da doença de Alzheimer; • Reforço do sistema imunitário.      Alimento polivalente na cozinha, este pode ser o rei de uma refeição ou complementar apenas algumas receitais, tais como: cogumelos recheados no forno, salteados, estufados, sopas/cremes, entre outros. Agora que conhece os benefícios do cogumelo cozinhe-os da maneira que mais gosta. Nós deixamos uma sugestão:  Creme de Cogumelos  Ingredientes:500g de Cogumelos1 Alho francês1 Cenoura grande1 Cebola média1 Dente de Alho1 Pedaço de gengibre finoAzeite q.bSal q.b Preparação:- Lave e parta os legumes em pedaços pequenos.- Coloque todos os ingredientes numa panela à exceção de 200g de cogumelos e o dente de alho. Adicione água e deixe cozinhar.- Triture tudo com a varinha e retifique os temperos (sal e coentros).- Numa frigideira salteie as 200g de cogumelos com azeite e o dente de alho.

Saber mais

Os benefícios da Banana

Os benefícios da Banana

Práticas de transportar, ideais para um snack saudável a qualquer altura do dia, as bananas são uma das frutas mais consumidas em todo o mundo! A banana é uma fruta muito rica do ponto de vista nutricional: tem um grande teor em Vitaminas A, B e C; açúcar natural superior quando comparado com outras frutas, o que faz com que seja ótima fonte de energia. Além disso, conta ainda com fibras, cálcio e magnésio, promovendo a prevenção de algumas doenças ou condições físicas (reduz o aparecimento de cãibras, diminui HTA, reduz a sensação de azia, etc).  Devido ao seu alto índice glicémico, diabéticos e pessoas com restrição alimentar (dieta), devem consumir as bananas em quantidades moderadas. A escolha entre consumir verde ou mais madura (amarela) depende do gosto de cada pessoa, já que os seus benefícios na saúde podem ser encontrados nas diferentes fases de maturação. Porém, é quando a banana está mais madura que os níveis dos seus nutrientes são potencializados. Sabia que hoje se assinala o Dia Mundial da Banana? Depois de lhe apresentarmos alguns dos benefícios desta fruta, que tal usufruir de uma receita saborosa e inovadora neste Dia Mundial da Banana?! Chips de BananaIngredientes: 2 Bananas Óleo de coco 1 Colher de sopa de sumo de limão 1 Colher de sopa de água CanelaPreparação: - Ligue o forno a 160° e corte as bananas bem finas. - Forre um tabuleiro com papel vegetal e unte com óleo de coco. Disponha as fatias. - Misture a água com o sumo de limão e pincele sobre as bananas. Polvilhe com canela. - Leve ao forno 1 hora, vire e volte a levar ao forno mais 30 minutos.

Saber mais

Estou de dieta: posso comer gelados?

Estou de dieta: posso comer gelados?

É nesta época do ano que aumenta o consumo de alimentos menos adequados a quem está a fazer dieta, sendo que os gelados são a maior tentação e a mais difícil de resistir. Mas a grande questão é: será que estando numa dieta de perda de peso, podemos incluir os gelados no plano alimentar? A resposta a esta questão é: “depende”! Tal como acontece com outros alimentos, é importante olhar à qualidade nutricional e, claro, à periodicidade com que se ingerem. Se olharmos aos gelados que se encontram à venda, estes apresentam grandes quantidades de açúcar, muitas vezes ainda acrecem as natas ou leite, o que se irá traduzir num aumento de gordura, principalmente saturada. Desta forma, podemos dizer que os gelados não são de interesse nutricional a incluir na dieta. Ainda assim, não podemos afirmar que os gelados, por si só, levam ao aumento de peso e de gordura, porque não é apenas um alimento que contribui para tal, mas sim o conjunto da alimentação diária, bem como as quantidades ingeridas face ao gasto calórico diário. Quando falamos de um gelado feito em casa, as preocupações com o peso e gordura já serão diferentes, uma vez que conseguimos fazer escolhas de ingredientes mais equilibradas e saudáveis, que podem ser incluídas com mais frequência no dia a dia alimentar.  Se não quer ter o trabalho de fazer um gelado caseiro, existem opções não tão prejudiciais que se podem comer esporadicamente, mesmo para quem está de dieta. Siga as nossas sugestões para fazer escolhas mais acertadas: - Quando optar por gelados de leite, escolha os de tamanho mais reduzido, de forma a diminuir o aporte de calorias; - Prefira gelados de água, pois o seu valor calórico é mais baixo (cerca de 90 kcal) e apresenta um valor quase nulo de gordura; - Deve evitar escolher gelados que apresentem na sua composição chocolate, caramelo e natas, de forma a reduzir número total de calorias e gorduras ingeridas; - Quando decidir comprar um gelado, se existir a opção light, opte por essa escolha de forma a reduzir gordura e/ou açúcar, que se traduz numa diminuição de calorias totais. Concluindo, a melhor opção será sempre fazer em casa, uma vez que poderá ser incluído mais vezes na alimentação. Além disso, existem já muitas receitas rápidas de fazer, bastante económicas e saborosas. Experimente a nossa sugestão: Gelado Cremoso de MentaIngredientes: 1 Bananas; 10 Morangos 4 Abacates; 2 Latas de leite de coco; Folhas de menta q.bPreparação: - Numa liquidificadora coloque a banana, os morangos, o abacate, o leite de coco e as folhas de menta. Triture e passe o preparado para formas de gelado ou uma forma de bolo inglês. - Leve ao congelador durante cerca de 4 horas. Antes de servir, retire cerca de 15 minutos antes para obter uma textura melhor.

Saber mais

Os melhores alimentos para o bronzeado perfeito

Os melhores alimentos para o bronzeado perfeito

A exposição mais frequente ao sol, durante o verão e sobretudo com as idas à piscina, praia ou rio, torna mais fácil ter uma pele mais bronzeada e bonita. Por outro lado, o regresso à rotina, principalmente para quem trabalha em locais sem exposição solar, faz com que esta cor “bronzeada” comece a desaparecer ao longo do tempo. Há diversas formas que podem ajudar a manter o bronzeado por um período de tempo superior, sendo uma delas, a ingestão de alimentos que apresentam uma cor laranja/avermelhada, ricos em betacarotenos. Os betacarotenos são um pigmento antioxidante, percursor da vitamina A, que permite aumentar a produção de melanina na pele, deixando-a com uma cor mais bronzeada (alaranjada) e auxilia também no combate ao envelhecimento da pele e proteção contra o cancro. Desta forma, aconselhamos o consumo dos seguintes alimentos, para manter o seu bronzeado por mais tempo:Cenoura: rica em vitamina C e potássio, permite estimular a produção de melanina, pigmento responsável pela cor da pele; Manga e Papaia: fonte de vitaminas e fibras, ajudam a reforçar o bronzeado pela presença de betacarotenos e controlar o envelhecimento prematuro devido a presença de antioxidantes; Abóbora: contém vitaminas do complexo B, fósforo e cálcio que proporcionam boa cor à pele e auxiliam no combate a oxidação das células, evitando o envelhecimento. Batata-doce: com vitamina A, vitamina C e vitaminas do complexo B, auxiliam a uma pele e bronzeado mais bonito. Além dos alimentos ricos em betacarotenos, existem outros nutrientes, nomeadamente antioxidantes que vão auxiliar e complementar a ação da vitamina A e como tal também podem fazer parte da sua alimentação: Flavonoides - tomate, soja, morango, uva, cereja; Vitamina C – laranja, tangerina, abacaxi, kiwi; Vitamina E – gema de ovo, sementes de girassol, castanha, amêndoas e azeite. Para garantir um bronzeado perfeito, e prolonga-lo no tempo, é importante ter um consumo regular e aumentado destes alimentos no seu dia a dia, para que possa ter reservas naturais de betacarotenos e antioxidantes.  Fique com a nossa sugestão de sumo natural para ajudar a manter o bronzeado:Sumo de Papaia e Cenoura Ingredientes: ½ Papaia 1 Cenoura 1/4 Pepino 1 Lasca de gengibre Água q.bPreparação: - Descascar e cortar os ingredientes. Colocar no liquidificador. - Triturar tudo até obter o sumo. Pode servir fresco ou com pedras de gelo.

Saber mais

A Alimentação do atleta vegetariano

A Alimentação do atleta vegetariano

Uma dieta vegetariana traduz-se numa exclusão total ou parcial de carne e outros alimentos de origem animal, priorizando produtos vegetais como legumes, leguminosas, fruta e cereais/grãos, sendo esta dieta tão diversificada como as dietas convencionais. Ao contrário do que se pensou durante muitos anos, que o vegetarianismo e desporto eram incompatíveis, hoje em dia com maior conhecimento científico chegou-se à conclusão que existindo um bom plano alimentar e de suplementação, não existirão carências nutricionais, pelo que, desta forma, teremos bons níveis de resistência, força e performance. Prova de que ser vegetariano não impede de atingir o topo de rankings, são os diversos atletas conhecidos como, Lewis Halmilton, Carl Lewis, Scott Jurek, entre outros, que praticam uma dieta vegetariana e são referências na sua área desportiva. A grande diferença do atleta vegetariano para o “convencional” está no foco e na consciência das suas escolhas: o atleta vegetariano deve focar-se e ser mais consciente nas escolhas alimentares que toma, de forma a obter os níveis de energia, satisfazer as necessidades do corpo para uma boa recuperação e manter boas funções do sistema imunitário. Desta forma, é necessário ter em atenção os seguintes nutrientes, para que não existam défices: - Proteína: excluindo a maioria de produtos de origem animal, é essencial obter os aminoácidos essenciais através da junção de cereais e leguminosas. Sempre que as necessidades não são totais a partir destes alimentos, a suplementação com proteína vegetal é boa opção para complementar; - Vitamina B12: vitamina predominante em alimentos de origem animal, a sua carência deve ser suprida através do consumo de algas e suplementação de Vitamina B12; - Cálcio: excluindo os alimentos lácteos em algumas dietas vegetarianas, podemos criar défices de cálcio, pelo que se torna importante aumentar o consumo de vegetais de folha verde, bebidas vegetais/iogurtes vegetais ou outros alimentos enriquecidos neste mineral. Mais uma vez, a suplementação deverá ser avaliada de acordo com o consumo de cada atleta;  - Ferro: a quantidade de ferro na dieta de um vegetariano é igual à do omnívoro, apenas a sua absorção é menor. Desta forma, a suplementação deste mineral deve ser associada à Vitamina C, em suplemento ou alimento, de forma a aumentar a sua absorção. - Vitamina D: a carência desta vitamina poderá existir caso a exposição solar seja reduzida, podendo ser necessário o consumo de alimentos enriquecidos nesta vitamina e/ou recorrer a suplementação; - Zinco: a ingestão de zinco, em atletas vegetarianos é inferior aos restantes. Ainda assim, optando por uma dieta rica em nozes, sementes, cereais, grãos e complementar com um suplemento é o ideal para colmatar possíveis carências. A dieta vegetariana, tal como as restantes dietas, é uma opção válida para atingir uma boa performance desportiva. Necessita apenas de ser adequada a cada atleta e suas necessidades e ser monitorizada. 

Saber mais

Pizza: um alimento a incluir na dieta?

Pizza: um alimento a incluir na dieta?

Certamente muitos fãs de pizza que estão em “dieta” já se questionaram se poderão ou não inclui-las na alimentação. Este tipo de alimento está normalmente associado a grande riqueza de gordura saturada e/ou adição de alimentos processados, o que a leva a ser excluída do plano alimentar diário.Apesar de parecer uma opção de refeição a excluir num plano de perda de peso ou para quem segue uma alimentação saudável, na verdade Dieta e Pizza podem conjugar-se. O segredo está em optar por fazer pizzas caseiras e saudáveis, com escolha de ingredientes nutricionalmente equilibrados a uma dieta.  Experimente a nossa sugestão e comprove o quão deliciosa é esta pizza com ingredientes nutritivos:Ingredientes Base: - 2 a 3 batatas doces; - 100g de farinha de aveia; - 1 Colher de chá de bicarbonato de sódio; - Ervas aromáticas (a gosto); - Sal q.b. Topping: Molho de tomate, queijo parmesão, alcachofras, tomate cherry e manjericão q.b.Preparação: - Cozer a batata-doce em água a ferver. Esmagar e reservar; - Numa taça colocar a batata-doce a farinha de aveia, o bicarbonato de sódio, as ervas aromáticas e o sal. Misturar bem até formar uma bola com as mãos. - Espalhar a massa num tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao forno cerca de 15-20 minutos. - Retirar do forno e colocar o molho de tomate por cima, Juntar os restantes ingredientes (podem ser outros ao seu gosto). Levar ao forno até o queijo derreter. Como em todos os restantes alimentos, o segredo é a moderação. Bom apetite!

Saber mais

Detox de verão: como fazer de forma saudável?

Detox de verão: como fazer de forma saudável?

O tema "Detox" é, nos dias de hoje, muito abordado e conhecido, associado a emagrecimento, eliminação de toxinas, alimentação saudável ou até mesmo para uma melhoria do estado de saúde e qualidade de vida.Com o pensamento já em férias e sem tempo para eliminar os últimos quilinhos ou gorduras, vem a necessidade de fazer um detox para preparar o corpo de verão rapidamente. Quer fazer uma ementa detox mas não sabe como? Fique com estas sugestões de sumo detox para usar no pequeno-almoço ou snack durante o dia e uma opção de sopa para as refeições principais.SUMO DETOX Ingredientes: 200 ml de água 2 Folhas de couve 2 Lascas de gengibre 2 Folhas de hortelã 2 Fatias de abacaxi Canela q.bPreparação: - Lave e corte os ingredientes. - Triture todos os ingredientes até obter uma consistência homogénea e fluida. Beba o sumo na hora. SOPA DETOX Ingredientes: 1 Couve-flor pequena 1 Brócolo pequeno ½ Curgete pequena 2 Punhados de espinafres 4 Folhas de couve 1 Cebola 1 Dente de alho 2 Lascas de gengibre Sal q.b. 1 Colher de sopa de azeitePreparação: - Prepare todos os legumes. Lave-os e coloque numa panela, aos pedaços, cobertos por água. Tempere com sal a gosto. - Deixe cozinhar bem e reduza a puré. Coloque, por fim, uma colher de sopa de azeite. Apesar das dietas detox serem aliadas a uma perda de peso mais rápida ou quando há excessos alimentares, o segredo é manter uma alimentação equilibrada, hidratação correta, eliminar açúcares e gorduras saturadas, bem como praticar exercício físico regularmente.

Saber mais

Como preparar as melhores Saladas no Frasco

Como preparar as melhores Saladas no Frasco

O uso de saladas no frasco, estão a ganhar cada vez mais fãs e são, na realidade, opções de refeições saudáveis, leves, rápidas e fáceis de preparar.  Além disso, são apelativas não só aos olhos, mas também em sabor, permitindo usufruir de uma refeição saciante em qualquer local.De forma a garantir maior frescura dos alimentos, bem como enriquecer nutricionalmente a sua salada, a disposição dos ingredientes de uma forma ordenada requer alguma “sabedoria”. Veja todas as dicas que lhe apresentamos e obtenha a melhor salada de frasco: Para iniciar o processo, necessita de um frasco com tampa de forma a garantir que entre menos ar mantendo a qualidade e a frescura dos alimentos.O passo seguinte é dispor os alimentos certos em cada camada:1ª Camada – molho: coloque no fundo do frasco 1 a 2 colheres de molho ao seu gosto. As melhores opções a usar são o azeite, vinagre, molho pesto ou vinagrete, isto para ser considerada uma salada saudável. Deve ter em consideração que o molho não deve entrar em contacto com os legumes até ao momento de consumir para não “murchar”;2ª Camada – alimentos a marinar:  aqui poderá colocar todos os ingredientes mais pesados ou que necessite de marinar ou ainda os que possam estar em contacto com o molho que selecionou na 1ª camada. Algumas das opções consideradas saudáveis são: leguminosas (lentilhas, grão, feijão) ou legumes (cenoura, cebola, tomate cherry);3ª Camada – proteína : de acordo com os seus gostos e permissão na dieta, aqui as opções são inúmeras. Deixamos como principais sugestões: atum ao natural, frango desfiado, salmão fumado, cubos de tofu ou ovo.4ª Camada – alimentos húmidos e moles: todos os alimentos que necessitem de uma frescura extra e para que a salada fique mais nutritiva. Aqui poderá incluir alimentos como: abacate, milho, cogumelos, pepino ou fruta.5ª Camada – legumes folhosos: nesta última camada deverá colocar todos os ingredientes que deverão entrar em contacto com o molho apenas no momento de consumir a salada. Podendo optar por alface, espinafres, couve, entre outros legumes folhosos;No fim de colocar todas as camadas poderá optar por deixar algum alimento crocante, como é o caso de frutos secos ou sementes;Se necessitar de uma fonte de hidratos de carbono (arroz/massa/couscous/…) deverá colocar entre a 2ª e a 3ª camada.Depois de todo o processo concluído deve guardar num local frio e no momento de consumir, basta agitar bem o frasco para que tudo se misture. Ponha em prática todas estas dicas com a nossa sugestão de salada no frasco: Salada de frango, uvas e nozes:- 1ª Camada: no fundo do frasco coloque 3 colheres de sopa de molho vinagrete;- 2ª Camada coloque ervilhas e tomate cherry;- 3ª Camada: opte por colocar o frango desfiado, previamente cozido ou selado, temperado previamente com pimenta, limão e orégãos;- 4ª Camada: coloque uvas partidas em metades e pepino em fatias;- 5ª Camada: use os espinafres e alface como legume folhoso.Para terminar, coloque 3 nozes e 1 colher de sopa de sementes de chia. Feche hermeticamente o frasco e refrigere.

Saber mais

Substitutos do sal: alternativas mais saudáveis

Substitutos do sal: alternativas mais saudáveis

Hoje comemora-se o Dia Mundial da Hipertensão Arterial, um problema de saúde pública que afeta mais de 30% da população adulta em todo o mundo, sendo um dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares e uma das principais causas de mortalidade a nível mundial. Uma das principais causas para o desenvolvimento de Hipertensão Arterial é o consumo excessivo de sal, por isso, prevenir ou tratar a pressão alta com algumas estratégias alimentares é a melhor forma. Para ajudar a reduzir ou até mesmo eliminar o sal, e assim, prevenir ou tratar a hipertensão arterial, apresentamos-lhe algumas especiarias e ervas aromáticas que podem ser escolhas perfeitas para as suas refeições:Açafrão - ideal na preparação de caril, carne, queijos, arroz, massa, doces e chá;Alecrim - usar em carnes em especial borrego, vitela e porco;Alho - temperar carnes, peixe, saladas, pão, molhos e caldos;Cebolinho - temperar saladas, sopas, carne e peixes;Coentros - usar em assados, caril, sopas, saladas, peixes e marisco;Cravinho - ideal para carne, peixe, marinadas, doces e fruta;Gengibre - usar em caril, sopas, carne, bolachas e bolos caseiros, chá e molhos;Hortelã - ideal para temperar molhos para carne, sopa, salada e sumos de fruta naturais;Louro - temperar marinadas, sopas, estufados e carnes;Manjericão - usar em saladas, massa, carne, ovos (mexidos), molhos e sopa;Noz-Moscada - ideal para puré de batata ou legumes, molhos, sopas, bolachas ou bolos caseiros ou adicionar em bebidas;Orégãos - usar como tempero em saladas, carne, pizza, massa e sopas;Pimenta preta - temperar estufados, saladas, molhos, ovos e carne;Pimenta Caiena - ideal para caldos, carnes, peixes e estufados;Salsa - usar em sopas, saladas, carnes, peixes, legumes, molhos, ovos (mexidos/omelete).Tomilho - ideal para temperar carnes de caça, salsichas e molhos. Com a seleção de especiarias e ervas aromáticas que lhe apresentamos, poderá trazer de igual forma o sabor, a cor e, acima de tudo, a saúde aos seus cozinhados!Além disso, tanto as especiarias como as ervas aromáticas ao contrário do sal apresentam diversos benefícios para saúde, tais como: melhor digestão; prevenir infeções respiratórias e urinárias; reforçar o sistema imunitário; entre outros.

Saber mais

Conhece os benefícios do café?

Conhece os benefícios do café?

Por todo o mundo e Portugal não é exceção, o café é uma das bebidas preferidas da generalidade da população. Dependendo dos hábitos e culturas, ele pode ser consumido de inúmeras formas: com chicória, chocolate, gelo ou inúmeras receitas. A planta que dá origem ao café é originária da Etiópia, mas em 575 d.C. passa a ser cultivada pelos árabes, com o objetivo de a utilizarem na preparação de uma bebida.Fruto do cafeeiro apresenta cerca de 6000 espécies, com particularidades distintas no que se refere a sabor, acidez, teor de cafeína e valor nutricional. Das opções de plantas de café disponíveis as mais consumidas são:- Coffea robusta: caracterizada por um teor de cafeína mais elevado e um sabor forte; - Coffea Arábica: contém uma quantidade mínima de cafeína, mas apresenta um aroma intenso. Atualmente, as cápsulas de café são a evolução que tornou esta bebida mais original e com sabores exóticos, apreciado por quase todos. Nutricionalmente um café sem açúcar contém cerca de 4 Kcal, 75-100mg de cafeína, potássio, fósforo e magnésio e, além disso, é rico em antioxidante e polifenóis. Como benefícios para a saúde, a cafeína apresenta-se como um estimulante para o sistema nervoso central, aumentando o estado de alerta e níveis de energia, diminuindo a sensação de cansaço.O café apresenta ainda uma ação diurética, dilata as vias respiratórias e aumenta ligeiramente a tensão arterial, pelo que se deverá moderar a dose para pessoas que apresentem patologias do foro cardíaco e/ou renal.O consumo de 2 a 3 chávenas de café por dia não apresenta risco para a saúde, aliás, alguns estudos referem que tem um efeito protetor em algumas doenças (cardiovascular, diabetes, Alzheimer, Parkinson). Ainda assim, o consumo de cafeína pode criar habituação, bem como outros efeitos adversos, como ansiedade, taquicardia, insónia e irritabilidade. Caso não possa beber café por razões de saúde, existem alternativas que pode experimentar como cereais (cevada/chicória) e maca. Assim, beber café, desde que na medida certa, pode beneficiar a sua saúde!

Saber mais

Nutrição em cada fase da vida da Mulher

Nutrição em cada fase da vida da Mulher

Homens e mulheres apresentam necessidades distintas. Apesar das mulheres apresentarem uma maior esperança média de vida, têm maior propensão para doenças ao longo da vida. As mulheres, nas diversas etapas de vida, têm necessidades nutricionais diferentes e, biologicamente, têm necessidades específicas. Ter uma alimentação saudável é uma forma de cuidar da sua saúde. Fique a conhecer as necessidades nutricionais em cada fase da vida da mulher:Até os 30 anos: o metabolismo da mulher, nesta fase, é mais acelerado pelo que há maior facilidade na perda de peso, uma vez que o organismo responde facilmente às mudanças nos hábitos alimentares. Ainda assim não deve descuidar a alimentação nesta fase, incluindo legumes e alimentos ricos em fibra, diminuindo a quantidade de sal e açúcar, podendo cometer um “pecado” de vez em quando. Gravidez: a partir do 2º trimestre de gravidez a mulher necessita de ingerir mais calorias, para um bom desenvolvimento do bebé, bem como uma boa saúde da mulher. Assim, deve aumentar o consumo de alimentos ricos em:- ácido fólico (espinafre, feijão branco, frutos secos)- cálcio (brócolos, leite, iogurte)- ferro (fígado, carne de vitela, gema de ovo, leguminosas)- proteína (lacticínios, carne/peixe/ovos, leguminosas, frutos secos) Amamentação: nem sempre é tarefa fácil a perda de peso após a gravidez, pelo que a amamentação poderá ajudar nesta tarefa, uma vez que o corpo gasta mais calorias. Neste período, o aumento da ingestão de líquidos e uma alimentação equilibrada são fundamentais para a produção de leite materno e uma redução do peso da mulher. Alimentos ricos em fibra (frutas, legumes), proteína (carnes brancas, ovo, lacticínios), vitaminas e minerais e baixo teor de gordura são a estratégia para regular o apetite e diminuir o peso. Menopausa: o corpo da mulher, nesta fase, tem uma predisposição para aumentar o peso, colesterol, hipertensão, osteoporose, entre outros problemas de saúde, devido à alteração hormonal que está a ser vivida. O metabolismo fica mais lento com o aumentar da idade, pelo que deve haver uma diminuição das calorias ingeridas no dia-a-dia. Para contrariar este aumento, a prática de exercício físico, aumento do consumo de água, bem como uma alimentação saudável, são fundamentais para ajudar na gestão do peso. Além disso, tomar suplementos com vitamina D, Isoflavonas de soja e Ómegas, ajuda a atenuar os sintomas da menopausa, evitando perda mineral óssea. As mulheres são únicas! Hormonas, sistema reprodutivo, metabolismo e composição corporal são alguns dos fatores que as distinguem dos homens e que explicam a necessidade de uma alimentação diferente. Desta forma, aconselhamos todas as mulheres que se preocupam com a saúde, a cuidar da alimentação e principalmente que se sintam bem e felizes!

Saber mais

Como resistir aos doces?

Como resistir aos doces?

Seguramente já ouviu dizer que “comer é um dos prazeres da vida”… Certo é que comer, vai além do prazer, sendo uma necessidade, uma vez que os alimentos são o combustível para o nosso organismo.  A alimentação não deve ser restrita ao ponto de se privar totalmente do que mais gosta, contudo é importante controlar-se e fazer dos "excessos" situações pontuais. Adotar uma alimentação equilibrada e saudável poderá ser a solução para não fazer uma restrição alimentar severa. Este tipo de alimentação não é sinónimo de pratos sem sabor, aliás a diversidade é uma regra para que possa ter todos os nutrientes necessários para o organismo. Para conseguir resistir aos doces ficam algumas dicas simples:- Faça refeições intermédias: ficar muitas horas sem comer pode levar a que na refeição seguinte se coma mais e se escolham alimentos mais calóricos. - Escove os dentes: após as refeições deve escovar sempre os dentes. Pelas razões de higiene óbvias, mas porque este hábito leva a que a vontade de doces diminua ou desapareça. - Fique longe dos doces: nos locais onde habitualmente passa mais tempo, tente que os doces estejam fora do alcance da visão ou simplesmente não os tenha. - Ingira água: o consumo de água regular, dá uma sensação de estômago preenchido e é um regulador do organismo. - Coma lentamente: comer devagar durante as refeições e saborear os alimentos é a melhor estratégia para diminuir a sensação de fome, pois a informação de saciedade leva alguns segundos a chegar ao cérebro. - Consuma proteína: a proteína aumenta a saciedade, ajudando a resistir aos doces e outros alimentos menos ricos nutricionalmente. - Pratique exercício físico: o exercício físico está associado à libertação de serotonina (hormona responsável pela sensação de bem-estar) que é comum ao do consumo de doces. Além disso, diminui o estado de stress e de ansiedade que consecutivamente leva a uma menor compulsão alimentar. A estratégia não é cortar por completo os doces, mas sim, diminuir o consumo numa fase inicial e de uma forma gradual, para conseguir resultados a longo prazo. Poderá optar também por definir o dia da “asneira” (cheat meal) onde consome o seu doce preferido.

Saber mais

Alimentos afrodisíacos, apimente a sua relação!

Alimentos afrodisíacos, apimente a sua relação!

Alimentos afrodisíacos contêm nutrientes com propriedades estimulantes, que promovem a produção de hormonas sexuais, melhorando a libido e sensação de bem-estar, aumentando assim o apetite sexual de homens e mulheres. Os alimentos afrodisíacos podem ser consumidos individualmente ou adicionados a refeições do dia-a-dia. Se procura apimentar a sua relação, experimente estas sugestões:- Chocolate (rico em cacau): o cacau contem feniltilamina que produz dopamina, no cérebro bem como aumenta a produção de serotonina, hormona responsável pelas sensações de prazer e felicidade;- Morango: rico em vitamina C e potássio, melhora a circulação sanguínea e consequentemente o funcionamento sexual. A combinação do morango com o chocolate torna estes dois alimentos a junção perfeita;- Pimenta (malagueta): o composto químico (capsaicina) presente nas malaguetas, leva a uma melhor circulação sanguínea, a pimenta aumenta a temperatura corporal, e acelera os batimentos cardíacos;- Mel: rico em vitamina B, ajuda na produção de hormonas sexuais, aumentando assim o desejo;- Frutos Oleaginosos (amêndoa, amendoim): a amêndoa é rica em selénio, zinco e vitamina E, aumentando assim a produção de hormonas que estimulam o desejo sexual. O amendoim é rico em vitamina E, aumenta também o apetite sexual e aumenta a energia;- Gengibre: rico em potássio e magnésio, nutrientes que aumentam o fluxo sanguíneo, estimulando o desejo;- Aveia: aumenta o nível de testosterona e do aminoácido L-arginina, aumentando o desejo. Todos estes alimentos devem ser consumidos em maior quantidade para quem quer estimular o apetite sexual, ainda que não exista uma quantidade ideal. Para comemorar este Dia de S. Valentim, deixamos ainda uma sugestão de receita para um pequeno-almoço ou snack a dois:SMOOTHIE AFRODISÍACOIngredientes150 ml de bebida de aveia8 Morangos1 Lasca fina de gengibre;1 Pitada de pimenta caeina;1 Colher de chá de mel. Preparação:Prepare todos os ingredientes e coloque numa liquidificadora. Triture bem até ter uma mistura bem homogénea. Feliz Dia de São Valentim!

Saber mais

Alimentos termogénicos: aliados na perda de peso

Alimentos termogénicos: aliados na perda de peso

Emagrecer de forma saudável é reduzir o volume de gordura das células adiposas do corpo, tornando-o mais definido. A prática de atividade física regular é fundamental para conseguir queimar gordura corporal, mas alguns alimentos também podem atuar como aliados na batalha. Alimentos termogénicos são alimentos que têm a capacidade de aumentar a temperatura corporal, através do aumento do metabolismo basal. Isto é, aceleram o metabolismo de modo a que este gaste mais energia a repor valores normais de temperatura.Estes alimentos contêm normalmente compostos como catequinas, capsaicina, efedrina ou cafeína que são propriedades termogénicas comprovadas, ajudando na queima de gordura. Então podemos considerar os seguintes alimentos como termogénicos:- Pimenta;- Café;- Chá verde;- Gengibre;- Canela. Além destes alimentos termogénicos podemos considerar a proteína um nutriente termogénico, pois de todos os macronutrientes esta apresenta um efeito térmico mais elevado, logo obriga o nosso organismo a gastar mais energia na sua metabolização, levando assim ao gasto de gordura acumulada. Este macronutriente é também importante na perda de peso, pois ajuda na manutenção e/ou aumento da massa muscular, além disso melhora a sensação de saciedade.Uma alimentação equilibrada aliada á pratica regular de exercício físico continuam a ser o fator mais importante na perda de peso, aesar destes alimentos serem uma ajuda na perda de peso quando consumidos diariamente. Procure uma nutricionista Good Diet e obtenha um plano alimentar personalizado, que lhe permite emagrecer e queimar gordura com saúde. 

Saber mais

Como reduzir a fome à noite?

Como reduzir a fome à noite?

Estima-se que a síndrome da fome noturna esteja presente em 25% da população com excesso de peso. É considerada um transtorno do sono ou da alimentação, dependendo do estado de consciência da pessoa durante o episódio de fome compulsiva. Ocorre durante a noite, quando a pessoa se levanta e ingere grandes quantidades de comida sem controlo, optando sempre por alimentos calóricos (ricos em açúcar e/ou gordura). Este problema tem origem na alteração do ritmo circadiano ou outras razões, tais como:-Estados de ansiedade, nervosismo, frustração ou preocupação;-Alterações hormonais, nomeadamente no cortisol;-Poucas refeições durante o dia, ou baixas quantidades;-Má distribuição dos macronutrientes, nomeadamente hidratos de carbono e proteína;-Abundância de alimentos calóricos em casa;-Picos de insulina, o que provoca quebras de açúcar. Para diminuir a sensação de fome à noite, deve começar por mudar comportamentos (estilo de vida e alimentação). A par disso poderá necessitar de acompanhamento de um nutricionista e/ou psicólogo para ultrapassar este problema. Comece por fazer estas pequenas alterações e sinta a fome noturna a diminuir:- Regularize o sono e tente dormir pelo menos 6 a 8 horas por noite;-Evite qualquer fator que possa influenciar o sono, como ingestão de cafeina, exposição a luz azul, atividade física, entre outras situações antes de se deitar;-Evite alimentos de alta densidade calórica em casa (alimentos ricos em gordura e açúcar);-Consuma proteína (carne/peixe, leguminosas, ovo, lacticínios, etc) em todas as refeições;-Aumente o consumo de alimentos ricos em fibra (cerais integrais, legumes, sementes, leguminosas, etc) de modo a que a digestão e absorção sejam feitos lentamente;-Faça pequenas refeições ao longo do dia, evitando o aumento de fome no fim de dia (noite);-Inicie exercício físico regular e mantenha-se ativo. Pequenas mudanças no estilo de vida podem trazer grandes benefícios para a sua saúde!

Saber mais